30.11.07

c'est si simple

Devia ser Maio ou Junho, já não me lembro bem. Decerto que era Primavera, pela cronologia dos acontecimentos. O tempo tinha passado demasiado depressa, chegava ao fim e havia o desejo de o manipular para que não voasse daquela maneira. Oscilava entre uma certa nostalgia, procurava pastéis de nata e croissants de massa fofa para o pequeno-almoço, mas algo me dizia para estar alerta, que essa vontade ia acabar mal assentasse pé no chão.

Devia ser o fim de tarde desse dia. Entre uma ida à discoteca (biblioteca de discos) ou umas compras quaisquer para mais uma tainada lá em casa, a Chloé sentara-se no chão e contava-me os seus planos para depois. Com uma vontade tão definida como simples, o toque que eu nunca conseguiria dar a decisões daquele calibre.
Foi aí que percebi que sim, que era assim tão simples.

Agora, o tempo passa demasiado devagar. Mas há-de-lhe chegar o fim.
E eu sei o que é que vou fazer. Como ela sabia, naquele dia.

2 comentários:

cursed eyes disse...

:)
quem me dera ter tanta certeza

RiSo disse...

e isso, não é? Só a que tornar cada simples cada decisão.