16.5.08

há uma coisa que me deixa perturbada. não é bem essa palavra, é uma mistura de incómodo, de surpresa e de incompreensão. com açucar, se faz favor.
são as adolescentes.
primeiro, invejo-as um bocadinho porque é a olhar para elas que sinto aqueles laivos de velhice quando penso "isto é tão diferente do meu tempo".
mas em segundo, é a facilidade delas, a banalização do "amo-te" que elas andam a espalhar por aí. é irritante ver mãos dadas, beijos na boca, palavras de eterno amor entre meninas de 15 anos, que dizem "amo-te", ou melhor "amu-t" a torto e a direito.

tenho dito.
não digo pim porque sou do indie russótrad.

4 comentários:

Bolhas disse...

é um laivo de velhice, sim senhor
que na nossa altura já se dizia amo-te com a mesma leviandade, e olha que eu sei porque vivi na Póvoa de Lanhoso.
Não se dizia amu-t (ou amut, ou mesmo amt), mas escrevia-se nas paredes, no chão, amava-se num dia e no outro não. havia as amigas que andavam de mãos dadas e se amavam umas às outras, havia outras coisas que agora não há.
agora é com açúcar, dantes era com mel.
e a parvalheira adolescente há-de sempre existir e ainda bem.
(embora também me irrite)

nos anos 60, devia ser bem pior, eles amavam-se todos.

VJ Tia 60 disse...

e ainda bem não...??????
amar a torto e a direito faz nos fugir da morte...
eu acho que mais vale assim do que se não amassem nada

cursed eyes disse...

ai vocês
hi5!

JoaoG disse...

make luv not war?

that's the spirit, i think :)