21.8.07

ando a sentir o que é saber o que se quer, é o que é.
sempre andei às turras, a tomar decisões sem as pensar, a trabalhar e não questionar realmente porque trabalhava, olha, é o meu dever
toda a gente sabe que a minha ida para psicologia concorreu com história, com sociologia, com línguas e sei lá mais o quê, mesmo à perdida
e tem sido engraçado
mas só agora é que encontrei "aquilo"
"aquilo" sempre esteve ao meu lado e nunca o vi assim. "aquilo" é a cultura popular na sua simplicidade, no seu lugar de nascença, no seu em bruto

dei por mim boquiaberta de cada vez que descobria o porquê de um detalhe numa roupa minhota, ou do nome de uma cidade.

só de pensar nas histórias, sabedorias, danças, cantares, jogos, que guardam os nossos velhos sinto uma curiosidade já emocionada, um pavor de que fiquem por terra, na deles, com eles.

há anos, quando tinha o cabelo cor-de-rosa, fui a vila da ponte e pelo caminho conhecemos a dona ana. a dona ana vestia-se de negro e calçava umas botas sujas de lama. cantou-nos uma música da ana e de um príncipe. tiramos uma fotografia com a dona ana e prometemos enviar-lha. a culpa é só minha, ainda tenho a foto comigo e nunca a enviei. entretanto a senhora deve ter morrido.

mas é isto
posso falar dos nossos velhos como dos velhos dos outros
os intrumentos que criam
as histórias que inventam para se justificar no mundo
as danças que expiam qualquer mau pensamento em qualquer recanto

fogo
a terra é linda

sinto-me terra
sei que sou terra
que tenho de aprender a terra, ensinar a terra,
impedir que a terra regresse à terra

(quantas línguas morrem, quantas profissões desaparecem, quantas músicas nunca serão ouvidas e ninguém sabe que algumas vez existiram)



5 comentários:

joui disse...

nem sei porque ainda hesitas...

quando se quer, arranja-se forma de. ;)

joui disse...

e eu acabei de ter uma ideia.

lembra-me depois, que o mais provável é que eu me esqueça que a tive! lol

lecf disse...

ola! hoje nao me sinto um forasteiro, como de todas as vezes que aqui passo. entro, procuro, coscovilho, alias, chafurdo em tudo o que escrevem, mas hoje nao! embora mais uma vez tenha gostado daquilo que escreveste, hoje sinto me obrigado a dizer "qualquer coisinha...":
o interesse é mutuo, tambem NOS estamos interessados em tudo o que nos possas dizer, contar.
e deve ser fantastico fazermos algo de que realmente gostamos(ja nao o que isso sera, ha muito tempo).
pronto, ja esta(",), beijo.

cursed eyes disse...

meus queridos:)

finalmente, senhor pretinho!
obrigado
obrigado
um dias tens o teu insight, ainda vais muito a tempo!beijo grande a ti

Rita disse...

sim, queremos ouvir essas hist'orias..contadas por ti :)